Feliz e feliz…

Oláá…

Vocês viram o título da postagem?

Bem, o motivo de minha felicidade já havia postado no Twitter do Camporeja o @fabiadycastro. Semana que passou, para ser mais precisa na terça-feira eu e a minha família encontramos na rua pertinho de casa uma cadelinha abandonada e filhotinha. Que dó gente! Mas o pior é que ela estava fazendo o possível para desviar carros, motos e pessoas. De longe vimos ela seguindo uma mulher que sem piedade chutou ela. Ai não aguentamos e tivemos que pegá-la, na verdade, já iriamos pegar ela. Pois se nada fosse feito a cadelinha seria atropelada.

Hoje faz 1 semana que ela está conosco e é uma alegria, medicada e limpinha já tem um nome, Bonequinha! hehe ❤

Mas por que Bonequinha?

Minha mamãe que deu e é fácil decifrar pessoal… ela é uma boneca! ;D

Nós todos aqui de casa somos extremamente apaixonados por animais, então é impossível não ver essa coisinha linda e não fazer nada. *-* ❤

 

                     Imagem

 

 Mas olha como é exibida *-*

                     Imagem

 

 

                     Imagem

 

Ela sabe que vai passear… <3.

Beijim e vem semana boa em Nome de Jesus!!!

 

Compartilhar

Oiii, como é bom ter conhecimento, ver as curiosidades e novidades por ai. Gosto de achar esses tipos de coisas na internet. Bom, achei um vídeo muito emocionante no Youtube e quero compartilhar com vocês. A história só pela começo já me tocou. Então vamos lá… Este vídeo mostra como é o relacionamento de pai e filho, mostra o laço que os une e todo o amor construído por ambos. Se passa em um farol, e também, o amor que o pai e o filho tem em comum, o mar, navegar. Só para se ter uma ideia o criador desta animação é de Taiwan, mas radicado nos EUA. Ele ganhou 27 prêmios pelo belo trabalho realizado. Parabéns para o diretor Po Chou Chi.

Ai… não tem como não se emocionar, o carinho ali presente e as ilustrações… ❤ ❤

Vamos ver?

 

Lindo e reflexivo!

Beijim!!!

 

 

 

Crônica: A rotina

Amanhece, fica tarde e anoitece… Movimento comum, é a vida que acontece em todos os lugares. Uns trocam ou invertem. Vivem a noite no lugar da manhã. Tem gente que levanta às 10h outros bem mais cedo. O sol vem logo cedinho, quando ele aponta em minha janela eu já estou de pé. No fogão a chaleira esquenta a água para molhar o pó de café, a mesa já está posta, o brilho de seus raios atravessa a cortina de renda com bordados de pássaros. De um lado para o outro vou, me arrumo, coloco um pouco de água no bule com o pó, coloco os pães na torradeira, pego o jornal no jardim, o plástico que o envolve está molhado, por conta da leve chuva que cai, mas mesmo assim,o sol, forte teima em ficar. No final ele ganha. De minha janela vejo alguns rostos amigos passando pela rua, uns vão para a esquerda, já outros vão para a direita. É o ciclo da vida!

Tem gente que gosta, eu gosto. Fazer da vida um extraordinário é questão de vontade e precisão. Precisão? Sim precisão. Devemos ser exatos, saber claramente o que realmente queremos e necessitamos, assim a vida passa rápido, mas com leveza. Isso que reparei nos olhares de tantos que cruzei logo que sai de casa depois do café. Tomei um ônibus, não gasto com gasolina ou qualquer outro combustível, pelo menos o de minha cidade dá para andar. Ele é bom! Desci na frente do jornal aonde trabalho já tem quase 10 anos e sempre chegar todas as manhãs lá pelas 07h00 é como se fosse a primeira vez. Eu quis isso para mim, não quero me acostumar ou cair em uma rotina que irá me envelhecer aos poucos. Sim! Aquela que nos mata aos poucos. Todos os dias vejo a beleza naquele lugar, entro e dou os bom-dias, entro na redação e me sento, a minha cadeira é a única estilizada, acredito que já estou a tanto tempo lá que posso fazer isso. Ligo o computador, abro as redes sociais (sim! Elas são fontes de notícias), vejo os e-mails, tanto os meus quanto os que mandam para o meu dentro do site do jornal. Ufaa… Virtualidades vistas! Vejo os recados que a secretária trás. Pego meu caderno de anotações (muito feminino, por sinal), a caneta rosa, meu óculos de sol e chaves do carro do jornal, além claro, do meu lindo e rosa gravador e uma boa câmera fotográfica. Entrevistas agendadas para matérias culturais, é sobre isso que escrevo. Cultura, entretenimento, tudo que é bom e que ensina. Notícias ruim não escolho, vejo-as isso é fato! Faz parte de minha profissão, e também, da vida. 

Na estrada sempre optou pelo melhor caminho, que praticamente para mim são todos. Eu os faço melhor. Simplesmente porque arrumo as lentes de meu olhar, eu as coloco na opção… Ver a vida de forma boa. É batata, quando faço isso vivo 100% melhor. Todos os dias consigo? Não! Porém nunca desisto de tentar, tem umas vezes que fica 50%, outras 80%. Todavia nunca zera. Depois de tomar as entrevistas,fotografar e as vezes até tomar um café com bolo de fubá com algum personagem da matéria eu sigo à redação. Chego,um lindo boa tarde, já passa do meio dia, sento e escrevo muito, edito as fotos, mandou para a edição. E na manhã seguinte a matéria estará na mão de muitos e muitas. É uma emoção constante! Um almoço com uma boa comida caseira e um maravilhoso suco de abacaxi com hortelã, repouso minhas pernas na sala de descanso do jornal. Às 15h00 já estou de volta no trabalho, tenho mais uma matéria, e depois, é ir para casa. O dia que começou com sol forte brigando com a chuva sede um pouco e a deixa molhar as ruas, casas e pessoas. No semáforo vejo a vida passando por mim, são tantas. Como eu as respeito. Gotas e mais gotas tocam o vidro do carro, sinal aberto eu sigo. Uma hora depois… Matéria pronta e quase na redação, chego na redação tomo um café, letras, palavras, emoção e dedicação, ficou pronta. Ritual frequente, mas que nunca perde a magia. 

Na frente de meu portão de grade antiga, que eu mesmo pintei vejo algumas de minhas flores saindo para fora. Elas teimam em querer beijar a rua. Senhorinhas do lado conversam, crianças brincam de bicicleta e bola. Gente como eu volta do trabalho, outros da escola. Uns fazem caminhada. Eu serei uma daqui a pouco, logo que chego tomo em divino banho, retiro algumas cargas do dia com um bom banho, levanto as pernas (melhorar a circulação), descanso o corpo, tomo uma vitamina de mamão com banana e maçã, pego minha bike e vou fazer meus 7 km diários. Vento que me toca a cada pedala, sopro de vida que meu coração ganha a cada rua deixada para trás. Volto e um banho para retirar o suor e a poeira da rua. O jantar vem… Telefone toca.

Alô…

Oi, filha que tal jantarmos hoje todos juntos?

Oi mãe! Claro, super aceito! Beijocas e até.

Beijos e cuida a rua.

Meus pais moram perto de minha casa, bicicleta novamente vamos nós. Depois de um jantar nós se preparamos para irmos jogar, no centro de nossa cidade há um bar bem moderninho com vários jogos, desde de sinuca ( que meu ama) até os famosos jogos de carta. Noite divertida regada com sucos e doces. Mas tudo com muita cautela. Saúde em primeiro plano. Saber comer é saber viver mais anos. A lua nos olha bem calmamente e anuncia que já é hora de dormir. Meu namorado me deixa em casa (ele também estava junto). Desfaço a cama, colcha no sofá ao lado, cobertor rosa antigo, desde os tempo de menina. Penso um pouco, me reviro para a esquerda, volto para a direita, fecho meus olhos. Quando vejo já é outro dia…